#Artigos esquerda direita

Published on dezembro 7th, 2013 | by Redação

O bom-mocismo como condicionante social e a direita piadista

Pesquisa do Datafolha divulgada hoje (8/12) pretendeu avaliar as tendências ideológicas dos brasileiros, se à esquerda ou à direita. A pesquisa submeteu os entrevistados a perguntas sobre questões pontuais que, em tese, revelariam sua inclinação ideológica.

Apesar de ser questionável uma pesquisa desse tipo, que enquadra o pensamento ideológico das pessoas a partir de perguntas e respostas pré-formuladas, é curioso perceber as respostas relacionadas à direita, de uma incoerência que chega a ser cômica. Por exemplo: “a maior causa da criminalidade é a maldade das pessoas” (63%); “a pobreza está ligada à preguiça de pessoas que não querem trabalhar” (32%). Segundo tais afirmações, os problemas sociais de pobreza e criminalidade são resultados do caráter duvidoso do povo brasileiro, o que significa dizer que países que possuem baixos índices de pobreza e criminalidade devem isso a seu povo “bonzinho” e “trabalhador”. Despreza-se o papel das estruturas sociais, dos processos históricos e da deficiência de políticas públicas como causa dos problemas sociais. Ora, como então resolver tais problemas no Brasil? Sob esta ótica dita direitista, a solução para o Brasil seria então criar aqui uma escola de “bom-mocismo” e rezar para que todos aprendam os bons modos.

Percebemos que no imaginário das pessoas que aderiram a tais afirmações, e que representam grande parcela da sociedade brasileira, criou-se o mito da responsabilização do indivíduo pelos problemas sociais. Despreza-se o papel das condicionantes sociais para jogar nas costas do indivíduo a responsabilidade pela pobreza, criminalidade, precariedade do Estado e quaisquer outros problemas de que se pretenda lavar as mãos. É claro que isso resulta de um esforço constante de classes dominantes e dos próprios meios de comunicação, como a própria empresa que realizou a pesquisa, o que a torna ainda mais escatalógica: um meio de comunicação com forte inclinação à direita como a Folha de São Paulo relaciona a própria tendência ideológica a posicionamentos ilógicos, frágeis, que não se sustentam cientificamente.

A pesquisa aponta, ainda, conclusões sintomáticas como as de que pessoas de direita são mais velhas e ricas, ou seja, defendem a própria posição social, e pessoas de esquerda tem escolaridade maior, o que pode permitir a desconstrução de assertivas tão absurdas como as indicadas acima.

Por fim, vale elencar outras respostas relacionadas à direita que inspiram uma espécie de humor negro, tais como: “acreditar em deus torna as pessoas melhores” (87%); “a homossexualidade deve ser desencorajada para toda a sociedade” (25%).

A pesquisa completa pode ser encontrada neste link.

Tags: , , ,


About the Author



Back to Top ↑